A importância do Sono para a Saúde

Você tem dormido bem? Qual a importância que você dá para uma boa noite de sono?


Um dos passos mais importantes para uma saúde plena e que é muito pouco valorizado é um SONO DE QUALIDADE. Vivemos em um mundo altamente competitivo e encaramos o sono como uma verdadeira "perda de tempo" e esse conceito precisa ser mudado já. Nosso sono é essencial para a nossa saúde e precisa ser priorizado.


O sono depende de circuitos cerebrais complexos e possui uma atividade rítmica diária conhecida como ciclo sono-vigília. Existe um sistema de despertar e outro de adormecer que estão conectados e são diretamente influenciados pela presença e ausência de luz que ocorrem com a chegada do dia e da noite.


Nos nossos primórdios, época em que não existia a luz elétrica, esse ciclo funcionava muito melhor. Dormíamos ao pôr do sol e acordávamos ao nascer do sol. Hoje, com o advento da luz elétrica, com as jornadas de trabalho mais longas, maior acesso a tecnologia, como televisão, computador, telefone celular, as pessoas passaram a dormir cada vez mais tarde, cresceu o número de casos de distúrbios do sono e a procura por medicamentos para dormir aumentou consideravelmente.


O que acontece no nosso corpo durante o sono


Ao contrário do que muitas pessoas pensam, durante o sono o nosso organismo não está descansando. É nesse momento que diversas funções fundamentais para a saúde ocorrem, como por exemplo:

  • Consolidação do aprendizado

  • Regulação da Imunidade

  • Redução da Pressão Arterial e batimentos cardíacos

  • Regulação do Apetite

  • Quebra de tecido adiposo e formação de músculo

  • Redução do estresse

  • Recuperação dos danos celulares que ocorrem durante o dia

  • Regulação da microbiota intestinal

É durante o sono que produzimos um hormônio fundamental chamado MELATONINA. Ela é produzida à noite, passando a ser liberada com o fim da luminosidade. Além de regular o sono, ela auxilia no reparo das nossas células expostas ao estresse, poluição e outros elementos nocivos no dia -a -dia. Ela também tem um potente efeito anti-oxidante e termogênico, auxiliando no retardo do envelhecimento e perda de peso.


A exposição a luz elétrica, tela de celular, televisão, computador, Ipad, prejudica a produção da melatonina, atrapalhando o nosso sono e todas as funções benéficas proporcionadas por esse hormônio.


Outro hormônio produzido durante o sono e de fundamental importância para nossa saúde é o GH, hormônio do crescimento. Ele atua reduzindo o cortisol, hormônio do estresse, além de auxiliar na quebra de tecido adiposo e na formação muscular.


Também é durante o sono que os neurotransmissores são recompostos, solidificamos os aprendizados do dia, regeneramos os danos causados ao nosso corpo e "arrumamos" a bagunça feita durante o dia na nossa mente.


Dessa forma, os distúrbios do sono colaboram para redução do nosso desempenho profissional e pessoal, podendo levar a déficits de memória, contribuem para o ganho de peso e maior risco de surgimento de doenças crônicas, incluindo doenças cardiovasculares, como Hipertensão, Diabetes, Arritmias e até mesmo Câncer.


Estudos mostram que a curta duração do sono (<6h) está associada a maior sobrepeso e obesidade, sendo que dormir durante o dia e ficar acordado a noite parece desempenhar um papel ainda maior que a curta duração do sono no surgimento de doenças metabólicas e cardiovasculares. (Fontes: 1Int J Obes (Lond).2020 Jan 14.doi:10.1038/s41366020-0537-3 e J Clin Endocrinol Metab.2015 Apr;100(4):1494-502.doi:10.1210/jc2014-3754)


Um estudo mostrou que pessoas que interrompem o sono (trabalho noturno, jet leg), apresentam maior chance de desenvolver obesidade e doenças metabólicas, sendo que, mesmo que isso ocorra por períodos curtos como 1 semana, já é suficiente para que ocorra o aumento da Pressão Arterial de 24 horas e dos marcadores inflamatórios em adultos saudáveis. (Fonte: Int J Mol Sci.2019 Apr;20(7);1597).


Como os distúrbios do sono aumentam o risco de sobrepeso, obesidade e doenças cardiovasculares


A desregulação do nosso ciclo do sono leva ao aumento de Grelina, hormônio da fome, e a uma resistência a ação da Leptina, hormônio da saciedade, fazendo com que tenhamos mais fome e fiquemos mais propensos a fazer escolhas alimentares ruins. Somado a isso, ocorre aumento da inflamação, com alteração na absorção de nutrientes pelo intestino e resistência a insulina, hormônio que controla o açúcar. Essas alterações levam ao aumento do risco de Diabetes tipo 2, Esteatose Hepática, aumento dos Triglicerídeos e Aterosclerose.


Durante o sono reparador, ocorre redução dos níveis de Pressão Arterial e Frequência cardíaca. Por isso, a desregulação do sono contribui para o surgimento de Hipertensão e Arritmias, além de elevar os níveis de cortisol, hormônio do estresse, que por sua vez também aumenta o risco de doenças cardiovasculares.






1 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo